Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Visto da Janela

Um olhar sobre o mundo - o mais próximo e aquele mais distante. De quando em vez, ou sempre que haja um minuto para uma nota, breve, ou mais prolongada. Para aqueles que estejam dispostos a ler-me...

Quando o eu chega ao extremo

por vistodajanela, em 03.02.22

 

Dia Int em Mem das Vítimas do Holocausto.jpg

Nesta tarde solarenga de 27 de janeiro, em frente ao computador hesitava em trazer ao meu “Visto do Marão” dois temas da atualidade, de interesse claramente regional, quando uma notificação de um eurodeputado me lembrava que estávamos no “Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto” – 27 de janeiro de 2002/27 de janeiro de 1945. Instituído pela ONU em 2005, pretende que não se esqueça o genocídio em massa de seis milhões de judeus pelos nazis e respetivos colaboracionistas. Foi um dos maiores crimes contra a Humanidade de que há memória. Mas, de igual modo, a instituição deste Dia pretende educar para a tolerância e a paz, assim como alertar para o combate ao antissemitismo. A este propósito, o Público lembra hoje que «o aumento de ataques contra judeus em todo o mundo fez de 2021 “o ano mais antissemita da última década”.

No último “Visto” abordámos a importância da valorização do “nós” face ao “eu”, pois o Homem é um ser gregário, vive em comunidade e, também nesse sentido, deve empenhar-se na resolução dos problemas da sua comunidade. Assim, é fundamental o respeito pela diferença, pela diversidade, como base de uma sã convivência de todos com todos. Isso não foi seguido nos anos trinta do século passado em alguns países, designadamente na Alemanha, dominada pelo totalitarismo ditatorial de Hitler. A perseguição ao povo judeu é uma mancha na História da Europa que não pode ser esquecida. O Parlamento Europeu, muito a propósito, realizou no dia 27 uma sessão extraordinária sobre essa questão. Porque não pode, não deve esquecer-se que o individuo, mesmo que visto na perspetiva de um povo, não tem o direito de se sobrepor a outros/outro, perseguindo, maltratando e exterminando através de atrocidades diabólicas, outras pessoas, um povo, mesmo.

Nenhum extremismo é justificável. Nem por motivo de raça, etnia, religião, orientação sexual, ou outro. Para que não se apaga da memória coletiva, revestem-se de especial importância os “Dias de…” Como este 27 de janeiro. Efetivamente, o Holocausto não pode ser esquecido, mesmo que já tenham passado 77 anos. Recordar essa tragédia obriga-nos a refletir sobre os direitos das pessoas, enquanto indivíduo e comunidade, sobre os Direitos Humanos e o valor da solidariedade. O ódio nunca é solução. A solução será sempre ver, preferencialmente, o “nós” para construir o bem comum.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.